Um grupo de estudantes interrompeu um discurso de Durão Barroso esta quinta-feira, na Universidade Humboldt, em Berlim. O presidente da Comissão Europeia falava sobre Portugal quando foi interrompido com frases de protestos como «troika, não!».

«A Irlanda, Portugal e Espanha têm feito progressos notáveis. Este fim de semana, o meu país, Portugal anunciou que vai sair do programa sem pedir mais assistência da União Europeia. Apesar...», dizia Durão Barroso, que visivelmente incomodado, não conseguiu terminar a frase com o decorrer do protesto.

«Solidariedade! Solidariedade!» e «Troika, não! Troika, não!» foram as palavras de ordem ouvidas pelo ex-primeiro-ministro de Portugal.

Esta não é a primeira vez que o presidente da Comissão Europeia é alvo de protestos que têm em pano de fundo as políticas da União Europeia. Em outubro do ano passado, na Bélgica, dois jovens presentes num debate em Liège lançaram ovos contra Durão Barroso em protesto contra as políticas europeias. Durão escapou-se dos ovos, mas não se livrou de que a notícia corresse os principais jornais.

Também em outubro de 2013, Durão foi interrompido por um grupo de manifestantes quando discursava em Bruxelas sobre Administração Pública. Aconteceu no dia 29 de outubro e as imagens foram agora divulgadas no Youtube através de um vídeo de telemóvel feito na altura. Seis ou sete cidadãos belgas exibiram uma faixa e subiram mesmo ao palco onde se encontrava José Manuel Durão Barroso. Do meio da sala, em «português», um homem belga interpelou diretamente o responsável europeu sobre as políticas de austeridade.

Outubro, foi de resto um mês para Durão Barroso esquecer. Logo no dia 10, o presidente da Comissão Europeia foi alvo de um dos protestos mais fortes de que terá memória. Depois da tragédia em Lampedusa, em que morreram mais de 200 imigrantes ilegais, Durão visitou a ilha, mas foi recebido por gritos de «assassino».