O presidente do PSD/Madeira, Alberto João Jardim, disse este domingo que Paulo Portas se comportou como um «autêntico submarino» na crise política que abriu quando se demitiu do cargo de ministro dos Negócios Estrangeiros.

Ao discursar na festa do PSD/Madeira na Herdade do Chão da Lagoa, Alberto João Jardim lembrou que «Portas disse que era irrevogável a sua decisão de sair do Governo da Republica». «Está lá como vice-primeiro-ministro. É um irrevogável muito esquisito», afirmou.

Alberto João Jardim acrescentou que o atual vice-primeiro-ministro «teve o comportamento de autêntico submarino, porque a crise política» que criou «custou muitos milhares ao país».

«Todos nós, portugueses, vamos ter que pagar. Por isso é que ele gosta tanto de submarinos», disse.

O líder dos sociais-democratas da Madeira frisou nunca ter acreditado na criação de um acordo de «salvação nacional», como o proposto pelo Presidente da República: «Eu cá disse sempre que não dava nada, mas, lá, no continente, existem sempre umas almas que acreditam que os meninos vêm de Paris».

Jardim também criticou as propostas para o acordo apresentadas pelo secretário-geral do PS, António José Seguro: «Davam para uma segunda bancarrota a Portugal depois dos sacrifícios que os portugueses estão a fazer».

Na sua intervenção na Festa do Chão da Lagoa, Alberto João jardim disse, ainda, que o PSD/Madeira «não concorda com as políticas seguidas em Portugal». «A Madeira quer mais emprego, mais investimento e melhor situação em cada família», sublinhou.