O Governo português condenou com «firmeza» a violência no Egito e apelou à contenção e ao diálogo de todas as partes na procura de soluções que permitam regressar a uma situação de estabilidade.

«O Governo português está a acompanhar com preocupação a situação no Egito. Condena com firmeza a violência, lamenta profundamente a perda de vidas humanas e apresenta condolências às famílias enlutadas», refere um comunicado do Ministério dos Negócios Estrangeiros enviado à agência Lusa.

A mesma nota precisa que o Governo português se associa aos apelos internacionais, nomeadamente do secretário-geral da ONU, Ban Ki-moon e da chefe da diplomacia comunitária, Catherine Ashton, e «exorta todas as partes à contenção e ao diálogo na procura de soluções que permitam criar urgentemente condições propícias a um regresso a uma situação de estabilidade».

«Apenas o estabelecimento de um processo de transição, plenamente inclusivo, que salvaguarde as liberdades fundamentais de todos os egípcios e que culmine na realização de eleições livres e justas, permitirá uma reconciliação sustentável», lê-se na nota.

O Ministério dos Negócios Estrangeiros garante ainda que está «particularmente atento à situação dos cidadãos portugueses que se encontram no Egito» e que estes estão a ser acompanhados pelos serviços do Ministério e Embaixada no Cairo.

A onda de violência no Egito causou pelo menos 525 mortos na quarta-feira.