Tratado Orçamental: PS impõe disciplina de voto

Ao contrário da indicação anterior, PS impõe disciplina voto

Por: Redação / CLC    |   12 de Abril de 2012 às 16:01
O PS decidou esta quinta-feira impor a disciplina de voto na votação ao Tratado Orçamental, apurou a TVI.

Francisco Assis tinha adiantado na TVI24 que os deputados do PS iam poder votar como quisessem o pacto orçamental. O socialista tinha adiantado que existia uma orientação para votar a favor, mas sem disciplina de voto. 

sta decisão da direção da bancada já foi comunicada aos deputados e, segundo a mesma fonte, «é completamente pacífica dentro do Grupo Parlamentar do PS».

Tinham manifestado a intenção de votar contra o Tratado Orçamental da União Europeia os deputados socialista Pedro Nuno Santos, Isabel Moreira, Pedro Alves (líder da JS), Rui Duarte, Duarte Cordeiro e João Galamba, que adiantou que vai cumprir a disciplina.

«O partido mudou de opinião e entende que o PS sairia mais reforçado se todos os seus deputados votassem do mesmo modo a favor do tratado. O partido decidiu impor a disciplina de voto, sou militante do partido, embora recente, e cumprirei a deliberação», afirmou à agência Lusa João Galamba.

O deputado socialista da Comissão Parlamentar de Economia e Finanças fez depois questão de frisar a sua «radical oposição» ao tratado.

«Se não houvesse disciplina de voto, votaria obviamente contra o tratado. Como sou militante e como entendo que a minha luta política deve ser sobretudo dentro do partido - e é dentro deste partido que quero continuar - e que fui derrotado», disse.

João Galamba frisou ainda que, «até ao fim» defendeu uma opção política diferente perante o tratado.

«Se houvesse liberdade de voto, não acompanharia a direção do partido. Uma vez que há disciplina de voto, eu, como militante, cumprirei a disciplina de voto imposta pela direção nacional», acrescentou.
PUB
Partilhar
EM BAIXO: Parlamento
Parlamento
COMENTÁRIOS

PUB
Greve na TAP: Administração chama sindicatos para reunião

Os sindicatos ligados à TAP vão reunir-se com a administração da empresa, a pedido do presidente. A portaria que decreta a requisição civil na transportadora aérea já foi publicada. Mas, a questão não está encerrada. Os sindicatos que representam os trabalhadores da TAP estão a analisar a possibilidade de contestar em tribunal a requisição civil