Tratado Orçamental: PS impõe disciplina de voto

Ao contrário da indicação anterior, PS impõe disciplina voto

Por: Redação / CLC    |   12 de Abril de 2012 às 16:01
O PS decidou esta quinta-feira impor a disciplina de voto na votação ao Tratado Orçamental, apurou a TVI.

Francisco Assis tinha adiantado na TVI24 que os deputados do PS iam poder votar como quisessem o pacto orçamental. O socialista tinha adiantado que existia uma orientação para votar a favor, mas sem disciplina de voto. 

sta decisão da direção da bancada já foi comunicada aos deputados e, segundo a mesma fonte, «é completamente pacífica dentro do Grupo Parlamentar do PS».

Tinham manifestado a intenção de votar contra o Tratado Orçamental da União Europeia os deputados socialista Pedro Nuno Santos, Isabel Moreira, Pedro Alves (líder da JS), Rui Duarte, Duarte Cordeiro e João Galamba, que adiantou que vai cumprir a disciplina.

«O partido mudou de opinião e entende que o PS sairia mais reforçado se todos os seus deputados votassem do mesmo modo a favor do tratado. O partido decidiu impor a disciplina de voto, sou militante do partido, embora recente, e cumprirei a deliberação», afirmou à agência Lusa João Galamba.

O deputado socialista da Comissão Parlamentar de Economia e Finanças fez depois questão de frisar a sua «radical oposição» ao tratado.

«Se não houvesse disciplina de voto, votaria obviamente contra o tratado. Como sou militante e como entendo que a minha luta política deve ser sobretudo dentro do partido - e é dentro deste partido que quero continuar - e que fui derrotado», disse.

João Galamba frisou ainda que, «até ao fim» defendeu uma opção política diferente perante o tratado.

«Se houvesse liberdade de voto, não acompanharia a direção do partido. Uma vez que há disciplina de voto, eu, como militante, cumprirei a disciplina de voto imposta pela direção nacional», acrescentou.
PUB
EM BAIXO: Parlamento
Parlamento
COMENTÁRIOS

PUB
Governo quer todos os criminosos sexuais «longe» das crianças

Condenados por abusar de menores já estavam impedidos de trabalhar com crianças, mas a nova proposta do Governo não exclui que outros criminosos sexuais, de pessoas maiores de idade, também possam ser impedidos de exercer funções. Todos os profissionais em contacto regular com menores vão ter de apresentar registo criminal antes de poderem ser contratados. Executivo alterou proposta para a Base de Referenciação de pedófilos e os pais já não vão poder saber onde vivem os condenados