Para além das intenções de voto, pedimos aos mais de quatro mil portugueses que participaram nesta sondagem, a opinião sobre um conjunto de características pessoais e políticas de Pedro Passos Coelho e António José Seguro. É certo que a maioria dos portugueses não aprecia nem um nem outro, mas vamos saber o que disseram os portugueses.

Sondagem TVI/Intercampus: PS ganhava com margem ínfima

Passos Coelho e António José Seguro já assumiram a vontade de ser primeiro-ministro em 2015: mas qual destes dois preferem os inquiridos desta sondagem?

Passos Coelho ganha com uma ligeira vantagem de 1,5%, mas na verdade a maior parte dos inquiridos considera que nenhum deles serve para o cargo.

E quanto à personalidade de cada um deles, neste inquérito, foi referido um conjunto de características e chegou-se à conclusão que Pedro Passos Coelho é: decidido, tem capacidade de liderança, é trabalhador, competente, conhecedor dos problemas dos portugueses e sério. Passos Coelho é visto como mais sério que Seguro, mas por uma percentagem muito curta.

Já o secretário-geral do PS é: dialogante, afetivo e emotivo, de confiança (quase igual à Passos), honesto, simpático e próximo dos portugueses.

Ficha técnica

Sondagem realizada pela INTERCAMPUS para a TVI, com o objetivo de conhecer a opinião dos Portugueses sobre diversos temas da política nacional incluindo a intenção de voto em eleições legislativas.

População portuguesa, com 18 e mais anos de idade, eleitoralmente recenseada, residente em Portugal Continental, em lares com telefone fixo.

A amostra é constituída por 4004 entrevistas, com a seguinte distribuição proporcional por Sexo e Idade e Região:

A amostra foi estratificada proporcionalmente por região. Os respondentes foram selecionados através do método de quotas, com base numa matriz que cruzou as variáveis Sexo, Idade (3 grupos) e Região (NUTSII). Os lares foram aleatoriamente selecionados a partir de diretórios públicos de números de telefone fixo. No lar o respondente foi selecionado com base nas quotas pré-estabelecidas.

O cruzamento destas variáveis garantiu uma distribuição proporcional da amostra em relação à população portuguesa em estudo.

Estas variáveis foram definidas com base no Recenseamento Eleitoral da População Portuguesa (31/12/2013) da Direção Geral da Administração Interna (DGAI).

A informação foi recolhida com base num questionário, aplicado via telefone para a residência dos indivíduos, através do sistema CATI (Computer Assisted Telephone Interviewing). O questionário foi elaborado pela INTERCAMPUS.

A INTERCAMPUS conta com uma equipa de profissionais experimentados que conhecem e respeitam as normas de qualidade da empresa.

Os trabalhos de campo decorreram entre 19 e 24 de Maio de 2014.

Estiveram envolvidos 81 entrevistadores, devidamente treinados para o efeito, sob a supervisão directa dos técnicos responsáveis pelo estudo.

O erro máximo de amostragem deste estudo, para um intervalo de confiança de 95%, é de ± 1,5%.

A taxa de resposta obtida neste estudo é: 62,2%.