O primeiro-ministro, António Costa, disse este sábado que inaugurar o Túnel do Marão abre séculos de oportunidades para Trás-os-Montes e, na pessoa de José Sócrates, saudou todos os que contribuíram para a sua conclusão.

"Hoje é um dia histórico para o país com a inauguração desta infraestrutura", afirmou António Costa, no seu discurso que teve como palco o interior de uma das galerias do Túnel do Marão.

"E quero, na pessoa do senhor engenheiro José Sócrates, cumprimentar e saudar todos aqueles que desde 2007 até hoje contribuíram para que esta obra tenha sido concluída", salientou.

O primeiro-ministro aproveitou para homenagear os que trabalharam e projetaram esta obra e os autarcas que se bateram pela conclusão da autoestrada que liga Amarante a Vila Real.

O Governo convidou os dois antigos primeiros-ministros com intervenção na construção do Túnel do Marão: José Sócrates aceitou e Passos Coelho alegou compromissos já assumidos.

Foi durante o Governo de José Sócrates que a construção desta nova autoestrada, que liga Amarante a Vila Real, começou a ser construída.

Durante o seu discurso, o primeiro-ministro considerou ainda que esta infraestrutura é a mais importante do país desde a ponte sobre o Tejo, inaugurada há 50 anos.

“Nenhuma outra infraestrutura tinha sido tão relevante para vencer para barreira natural. Há 50 anos o Tejo, hoje o Marão. E vencer esta barreira do Marão tem um profundo significado”, salientou.

Para Costa vencer esta barreira “é rasgar um ciclo de novas oportunidades ao desenvolvimento e de novas oportunidades à projeção do país na economia global”.

“Esta barreira significou efetivamente décadas de atraso para a região e rasgar este túnel abre século de oportunidades de desenvolvimento para Trás-os-Montes”, frisou.

Mas, e se as infraestruturas são necessárias, o primeiro-ministro diz que não são condições suficientes para o desenvolvimento e, por isso, considerou que é preciso “não desperdiçar a oportunidade que esta nova autoestrada constitui” e “ter uma nova visão estratégica sobre a inserção da região no espaço global”.

Interior é frente avançada para ligação a Espanha 

O primeiro-ministro afirmou ainda que o interior trasmontano tem que ser “a frente avançada” para a afirmação da economia portuguesa no mercado ibérico.

“Há uma galeria aqui ao lado que corre em direção à fronteira, que corre em direção à Europa e que posiciona este território não só como um território que está perto do Porto, mas um território que é vizinho de uma região espanhola onde vivem 2,5 milhões de habitantes”, salientou o chefe do executivo, que discursava durante a inauguração do Túnel do Marão.

E é, na sua opinião, com esta nova visão que se tem que olhar para o país para que este tenha “um desenvolvimento mais integrado”.

“Hoje o nosso desafio não é só sermos mais coesos entre nós. É sermos mais coesos entre nós, sermos mais capazes de nos projetar no espaço global e também no mercado ibérico”, sublinhou.

Costa afirmou que a Autoestrada do Marão, que se junta à Autoestrada Transmontana (Bragança), leva até à fronteira e que, para lá dessa fronteira, “está um mercado com 50 milhões de habitantes” e onde Portugal tem que saber estar presente e afirmar-se.

“É por isso que é cada vez mais importantes devolvermos às regiões o poder para definir a sua própria estratégia de desenvolvimento”, frisou.

E é também por isso que defendeu que é necessário dar “um novo impulso à descentralização” para as autarquias locais e com "a democratização das CCDR".

“Mas num esforço conjunto para sermos capazes de aproveitar esta oportunidade que esta infraestrutura nos oferece para fazer aquilo que é o nosso dever, ajudar o país a ter mais crescimento, melhor emprego e maior igualdade”, salientou.

E continuou: “hoje vencemos e viramos uma página muito importante, é por isso um dia histórico para o país, mas é um dia que só se cumprirá plenamente quando daqui a uns anos podermos dizer que a partir deste túnel nós convergimos para um novo nível e um novo patamar de desenvolvimento”.

A Autoestrada do Marão, que inclui um túnel rodoviário com quase seis quilómetros, demorou sete anos a ser construída e abre ao trânsito às 00:00 de domingo.