Uma delegação parlamentar portuguesa que parte sábado de Timor-Leste leva consigo um apelo do presidente do Parlamento Nacional timorense para reavaliar a decisão da Assembleia da República (AR) mandar regressar cinco assessores que estavam em Díli.

«É uma preocupação do parlamento timorense. Estivemos com o senhor presidente do Parlamento Nacional que nos transmitiu os seus pontos de vista e solicitou que fossemos portadores de uma mensagem sua para a senhora presidente», disse Arménio Santos (PSD), em nome da delegação de cinco deputados.

«Vamos empenhar-nos para que as preocupações do parlamento timorense possam ser ponderadas de forma positiva e construtiva por parte da Assembleia da República», disse.

Arménio Santos - acompanhado de António Almeida Santos (PS), Inês Teotónio Pereira (CDS-PP), João Ramos (PCP) e Helena Pinto (BE) - disse que não se trata de «voltar atrás» ou de assumir uma posição «contra o que foi decidido (…) em função do termo de uma disponibilidade daqueles quadros facultados ao parlamento timorense».

Reconhecendo que o parlamento timorense continua a ter necessidade do apoio desses quadros, Arménio Santos disse que a Assembleia da República «tem de facto alguns constrangimentos em termos de recursos humanos, especialmente ao nível de quadros superiores».

«Esta é uma questão política que consideramos que deve ser bem ponderada por parte da AR. Não temos dúvida nenhuma que esta questão vai ter por parte da senhora presidente o devido tratamento», afirmou.

Conferência conjunta em Lisboa

Entretanto, a mesma delegação fez saber que Portugal e Timor-Leste estão a organizar conjuntamente uma conferência bilateral conjunta, prevista para junho em Lisboa, que pretende aproximar os dois países e fomentar os laços comerciais e empresariais. Informação foi avançada pelo deputado Arménio Santos.

Um dos objetivos principais do encontro de Lisboa, explicou, é «discutir as relações económicas entre os dois países», procurando aproximar as vantagens da inserção europeia de Portugal com as «especificidades e potencialidades» de Timor-Leste.

«Há espaço para estabelecer contactos, conhecimentos, parceiras, entre os empreendedores, empresários, dos dois países», disse.

«Queremos também proporcionar aos empresários timorenses e portugueses oportunidade para se conhecerem, discutir eventuais áreas de investimento e cooperação conjunta, com vantagens para os dois países«, afirmou ainda.

Paralelamente a essa conferência, explicou, o objetivo é proporcionar a toda a delegação timorense que se desloque a Portugal contactos com os seus homólogos portugueses, sejam académicos, juventude, pessoas ligadas à cultua, empresários ou agentes políticos.

Na conferência de imprensa de balanço da visita, Arménio Santos explicou que a visita tinha como objetivos fundamentais transmitir aos homólogos timorenses «respeito e amizade e expressar ao povo timorense a amizade e fraternidade do povo português».

Preparar com o GPA homólogo timorense a conferência prevista para 15 e 16 de junho e apresentar a proposta criação do programa «Pessoa», uma versão da Comunidade dos Países de Língua Portuguesa (CPLP) do programa Erasmus, esteve também na agenda da visita.

Arménio Santos explicou que o encontro de Lisboa debaterá «a importância política e geoestratégica de Timor-Leste no contexto regional e no contexto mais amplo da CPLP» e permitirá reafirmar os valores de afinidade cultural e história entre os dois países.

Durante a visita a Díli, os deputados portugueses mantiveram reuniões com vários responsáveis do Governo, com as bancadas parlamentares e com o GPA homólogo além de reuniões com a cooperação portuguesa.