logotipo tvi24

Providência cautelar sobre novas escutas do Sol

Rui Pedro Soares quer impedir publicação do jornal esta sexta-feira

Por: Redacção / FC    |   2010-02-11 14:03

Última actualização às 15:15

Oficiais de justiça estão a tentar notificar o semanário «Sol» com uma providência cautelar para impedir a publicação do jornal nesta sexta-feira, apurou a TVI.

À porta do jornal estiveram um oficial de justiça e uma advogada a tentar notificar responsáveis pelo semanário, mas acabaram por se retirar por não estarem presentes os nomes citados na notificação. Prometaram voltar mais tarde para entregarem a notificação.

A providência vem da parte de Rui Pedro Soares, um dos administradores da PT e um dos nomes que consta nas escutas que o semanário «Sol» trouxe a público na sua última edição.

Em causa nestas escutas estão conversas, que também envolvem Armando Vara e Paulo Penedos, e que indicam a suposta interferência do Governo de José Sócrates na tentativa de compra da TVI pela PT.

Segundo fonte da Lusa, a providência cautelar destina-se ao director, José António Saraiva, e a duas jornalistas, Felícia Cabrita e Ana Paula Azevedo, mas ainda não foi possível notificar nenhum dos três. A restante direcção do jornal está reunida para decidir o que fazer face a esta situação.

Nas escutas estão conversas que também envolvem Armando Vara e Paulo Penedos e que indicam a suposta interferência do Governo de José Sócrates na tentativa de compra da TVI pela PT.

Partilhar
EM BAIXO: Sol
Sol

Jerónimo de Sousa diz que vive num mundo diferente do primeiro-ministro
«Os atuais e futuros reformados e pensionistas nunca mais vão saber com que reforma vão ficar no final da sua vida de trabalho», diz Jerónimo de Sousa
PS: sucesso na emissão de dívida deveu-se a «fatores externos»
António José Seguro afirmou que os resultados de Portugal na emissão da dívida se deverem a factores externos, como a intervenção do BCE
Seguro questiona PM sobre avaliação independente a Portugal
Secretário-geral do PS questionou Passos Coelho sobre uma avaliação independente dentro de seis meses