Manuel Alegre afirma, em entrevista ao jornal «Expresso», que, se a lei permitisse a candidatura de movimentos independentes às eleições Legislativas, avançava já este ano.

Na entrevista, o histórico socialista reconhece que esticou a corda «quase até ao limite» e revela as suas condições para se comprometer com o PS na próxima legislatura. «O essencial é o reconhecimento do espaço próprio que eu represento e saber se isso é compatível com uma relação com o PS», diz Alegre, garantindo que não vai abdicar da sua posição em matéria de Código Laboral, avaliação de professores, taxas moderadoras, etc. «Se isso for respeitado, podemos conversar».

Uma candidatura à Presidência da República «não está nos planos» do histórico socialista, «assim como não estava em 2006 e de repente aconteceu», diz Alegre, não pondo de parte que possa voltar a acontecer.

Criticando o Congresso de Espinho, a que não assistiu, afirma que Sócrates «está mais sozinho do que parece» e aconselha-o: «Devia falar mais comigo do que com alguns dos seus indefectíveis».