O PS acusou esta terça-feira o Governo de colocar 588 famílias de trabalhadores da Segurança Social sob «nuvens negras» logo no início da 2015 ao publicar uma lista de funcionários alvo de requalificação no setor dos assistentes operacionais.

Esta posição foi transmitida à agência Lusa pela vice-presidente da bancada socialista Sónia Fertuzinhos, que adiantou ter conhecimento da publicação pelo Instituto da Segurança Social, esta terça-feira, pelas 15:00 horas, de uma lista com 588 assistentes operacionais que irão passar para a «requalificação».

«Afinal, ao contrário do que prometeu o primeiro-ministro [Pedro Passos Coelho} na sua mensagem de Natal, há nuvens negras bem carregadas logo no início de 2015. Afinal, a ideia de que não haveria nuvens negras no próximo ano pertence ao reino da fantasia», declarou Sónia Fertuzinhos.


Em declarações à agência Lusa, a vice-presidente do Grupo Parlamentar do PS fez duras críticas ao processo seguido pelo Governo no sentido de colocar cerca de 700 trabalhadores na requalificação e, sobretudo, ao facto de já ter avançado com uma primeira lista de funcionários abrangidos pela decisão.

«O Governo coloca estes trabalhadores na mobilidade sem nunca ter demonstrado que eram dispensáveis nos serviços. Depois, o ministro Pedro Mota Soares revela falta de coragem, porque, até agora, recusou sempre apresentar as devidas justificações perante a Assembleia da República», atacou a deputada socialista eleita pelo círculo de Braga.


Sónia Fertuzinhos considerou ainda que o Governo conduziu este processo na Segurança Social "de forma inqualificável, gerando ansiedade e medo" entre os trabalhadores.

«Se a ansiedade e o medo foram os presentes de Natal que o Governo deu aos trabalhadores da Segurança Social, a prenda de fim de ano foi a passagem destes 588 funcionários à requalificação», acrescentou a vice-presidente da bancada socialista.