Espinho recebeu Sampaio da Nóvoa de braços abertos e com o sol à mistura na primeira arruada da sua campanha, marcada para a emblemática feira semanal de Espinho.

Entre abraços, beijinhos e apertos de mão, o candidato presidencial tentou chegar a todas as pessoas que o abordaram porque não queria “que uns fiquem chateados” por não os ter cumprimentado.

“Se eu sei quem é este senhor? Então eu não sei quem é esta cara linda? O nome... ai, como é que ele se chama?"
 
Com o nome na ponta da língua, ou sem vestígios do mesmo, feirantes e clientes paravam para cumprimentar Sampaio da Nóvoa sempre com um pedido na manga e com algumas reclamações. Se por um lado houve quem lhe pedisse que olhasse pelos “pobrezinhos” - “como é que os políticos vivem com milhões e nós com tostões?” - houve quem questionasse o candidato se não tinha “uma esferográfica para apontar o nome dos caloteiros”.
 
Cerca de 40 minutos depois do início da visita à feira de Espinho, a chuva ditou o fim da mesma e uma saída apressada para Oliveira de Azeméis, onde iria inaugurar a sede de campanha da cidade e visitar a Santa Casa da Misericórdia.


Nova arruada, nova chuvada


Em Oliveira de Azeméis, a nova sede de campanha foi pequena para receber todos os que acompanhavam o antigo reitor da Universidade de Lisboa e as perguntas tiveram de ser feitas à porta da mesma.

Em declarações aos jornalistas, Sampaio da Nóvoa voltou a afirmar que quer ser um presidente "de proximidade" e revelou que nestas eleições tem não um, mas sim dois adversários: Marcelo Rebelo de Sousa e a abstenção.
 

"Os meus dois adversários são a abstenção e Marcelo Rebelo de Sousa e tudo o que eu conseguir fazer para combater estes dois adversários, eu farei conversando com as pessoas, estando com as pessoas, recebendo toda esta energia que tenho recebido. Este é o meu caminho e estou certo que me vai levar a uma segunda volta. E depois começa tudo do princípio".


Para o candidato, esse será o tempo da convergência em seu torno da sua campanha contra Marcelo Rebelo de Sousa.

"Vai haver segunda volta. Hoje é claro nas pessoas, nas ruas, naquilo que nos dizem, no que está a acontecer no país, que na verdade só agora despertou para as presidenciais", numa "conferência de imprensa" mais uma vez interrompida pela chuva que se fez sentir.
 

"Estes é que são os principais eleitores"


Nova paragem na cidade de Oliveira de Azeméis, desta vez na Santa Casa da Misericórdia para conhecer duas das três valências daquela instituição: a creche e o lar.

Bastante à vontade entre os mais novos (na feira de Espinho já havia confessado as saudades que sentia de bebés), Sampaio da Nóvoa sentou-se no chão, brincou, meteu as "mãos na massa" e até cantou uma lenga-lenga para as crianças que o esperavam.

 
"Aqui estão eles. Estes é que são os meus principais eleitores", brincou o candidato enquanto descia as escadas que o levariam a conhecer as instalações da instituição.

O encontro com os mais pequenos acabou por ser abreviado, para deixar "as crianças almoçar em paz" e Sampaio da Nóvoa continuou a sua visita por entre os idosos.

 
O segundo dia de campanha passará ainda por Aveiro, Cantanhede e termina em Coimbra, com um jantar comício no Hotel D. Inês.