O presidente da Câmara do Porto disse esta quarta-feira que «ficaria muito feliz» em não ter razão nas preocupações sobre os fundos comunitários, garantindo que a moção tem «absoluta fundamentação» e tudo foi noticiado pela comunicação social sem nenhum desmentido.

A Câmara do Porto aprovou na terça-feira uma moção afirmando que «a Comissão Europeia recusou assinar o Acordo de Parceria proposto pelo Estado português», ação que provocou a reação do Governo ¿ que alertou para as «incorreções objetivas» desta moção - e de Bruxelas, que também desmentiu a autarquia.

Esta quarta-feira, em declarações aos jornalistas à margem da apresentação da campanha «Voto no Porto», o presidente da autarquia, Rui Moreira, começou por dizer que «se há circunstância em que ficaria muito feliz em não ter razão é esta».

«As notícias que hoje vieram a lume por parte do Governo de Portugal dizem que a cidade do Porto e que o presidente da Câmara do Porto não têm razão em estar preocupados. Se assim for direi que se há uma situação em que eu terei todo o prazer em estar enganado será esta», reiterou.

Mas Rui Moreira deixou a garantia de que tudo aquilo que foi escrito na moção «tem absoluta fundamentação».

«Tudo aquilo foi noticiado pela comunicação social nos últimos dez dias. Nós não vimos nenhum desmentido então. O facto de então não haver nenhum desmentido também credibiliza de alguma maneira a nossa posição», justificou.

O presidente da Câmara do Porto insistiu que as informações que a autarquia tem sobre esta matéria «são preocupantes».

«E principalmente nós não nos podemos esquecer que nos últimos quadros comunitários ¿ estamos no quinto ¿ as coisas correram sempre mal e os resultados estão à vista», recordou.

Rui Moreira rejeita por isso queixar-se «depois de as coisas correrem mal», considerando que se deve «alertar os responsáveis do país antes das coisas correrem mal».

«Conseguimos que na câmara, o Partido Comunista votasse connosco, houvesse um deputado do PSD que votasse connosco e até os outros que tinham dito que iam votar contra acabaram por se abster e isso tem um significado para nós muito importante: as pessoas reconhecem que esta é uma preocupação para a cidade e para a região», concluiu.

A Câmara do Porto aprovou na terça-feira uma moção, apresentado por Rui Moreira, afirmando que «a Comissão Europeia recusou assinar o Acordo de Parceria proposto pelo Estado português por considerar que este não acautelava os mecanismos de promoção de coesão territorial e de valorização das regiões de convergência, nomeadamente da região Norte».

Já esta quarta-feira, a concelhia do PSD/Porto e dois vereadores na autarquia exigiram que o presidente da Câmara do Porto faça «um pedido de desculpas formal à cidade» pela «vergonha institucional» de ter faltado à verdade nesta questão.