O ministro dos Negócios Estrangeiros considera que a «pressão» da Rússia sobre a Ucrânia para não assinar o acordo comercial com a União Europeia é «indevida», mas disse esperar que essa opção possa «vir a ser revista».

O chefe da diplomacia portuguesa falava aos jornalistas no quartel-general da NATO, em Bruxelas, à margem da reunião ministerial de Negócios Estrangeiros que termina esta tarde.

Questionado sobre os confrontos dos últimos dias em Kiev, Rui Machete disse que Portugal subscreve a declaração dos ministros da NATO, aprovada na terça-feira, a condenar o uso da violência e a apelar à moderação e considerou que o tema do acordo comercial não está «completamente encerrado».

«Há a ideia de que se vão proporcionar condições para que mais tarde essa opção possa ser revista. A Ucrânia é um país europeu, que tem manifestado muito interesse em aproximar-se da União Europeia», assinalou Machete, que defendeu que a pressão Moscovo foi «indevida».