O ministro dos Negócios Estrangeiros, Rui Machete, condenou terça-feira, em nome do Governo português, o ataque terrorista ocorrido em Jerusalém Ocidental e apelou a todas as partes para se absterem de qualquer ação «de incitamento ou retaliação».

«O Governo Português condena veementemente o violento ataque terrorista hoje ocorrido na sinagoga de Har Nof, em Jerusalém Ocidental», lamenta «profundamente a perda de vidas humanas» e «expressa as suas mais sinceras condolências às famílias das vítimas e a sua solidariedade para com os feridos», declarou o ministro, em comunicado enviado à Lusa.

No texto, o chefe da diplomacia portuguesa deixa igualmente um apelo «à contenção de todas as partes», instando a que estas «se abstenham de qualquer ação, incluindo de incitamento ou de retaliação, que possa contribuir para a deterioração da situação».

Rui Machete frisa ainda que o executivo lamenta «qualquer expressão de apoio a este tipo de ataques, que em nada contribuem para uma solução assente em dois Estados [Israel e Palestina] vivendo lado a lado em paz e segurança».

No ataque perpetrado hoje de manhã numa sinagoga do bairro ultraortodoxo de Har Nof, dois palestinianos, armados com facas e armas de fogo, mataram cinco pessoas, com a confirmação esta noite da morte de um polícia, e feriram outras oito.

Quatro das cinco vítimas mortais do ataque tinham dupla nacionalidade: três eram israelitas e norte-americanas e a outra israelita e britânica, indicou a polícia israelita, que abateu a tiro os dois atacantes.