logotipo tvi24

Casamentos homossexuais: Ribeiro e Castro quer referendo

Deputado do CDS-PP diz que PS não tem legitimidade para avançar com legalização

Por: tvi24 / HB    |   2009-11-03 17:29

José Ribeiro e Castro defendeu a realização de um referendo sobre a legalização do casamento de homossexuais, que consta do programa do Governo. O deputado do CDS-PP considera que tema ainda não foi alvo de discussão na sociedade portuguesa.

«É uma questão que não está debatida na sociedade e sobre a qual os cidadãos têm o direito de se pronunciar directamente através de um referendo», disse José Ribeiro e Castro à Lusa.

O ex-líder do CDS considera que os resultados das últimas eleições não conferem legitimidade ao PS «para avançar com questões que não estão debatidas na sociedade portuguesa».

«Sou contra [a legalização de casamentos entre pessoas do mesmo sexo] e penso que é uma questão que não tem prioridade política, mas participarei nesse debate e penso que não é possível ao Governo e ao PS avançarem para uma alteração jurídica sem ouvir os portugueses», frisou.

O Bloco de Esquerda e o PEV já entregaram diplomas para legalizar os casamentos entre pessoas do mesmo sexo, propondo uma alteração ao Código Civil. Na legislatura anterior, a maioria PS, PSD e CDS-PP rejeitaram iniciativas do Bloco de Esquerda e do PEV para legalizar os casamentos homossexuais.

Partilhar
EM BAIXO: Ribeiro e Castro
Ribeiro e Castro

Rui Tavares quer esquerda a governar «junta»
Fundador do partido Livre lamentou a divisão da esquerda
Reposição dos cortes salariais aprovada no Parlamento
Diploma foi aprovado apesar do voto contra de toda a oposição
Ex-PGR contra «cedência muito fácil» da lista de pedófilos
Pinto Monteiro defendeu que é necessário um «controlo extremamente rigoroso» no acesso à lista
EM MANCHETE
Estado Islâmico mostra decapitação de outro jornalista
No vídeo que mostra a execução de Steven Sotloff, o homem mascarado ameaça ainda o refém britânico David Haines
Reposição dos cortes salariais aprovada no Parlamento
Rui Tavares quer a esquerda a governar «junta»