O Movimento Revolução Branca apelou, esta segunda-feira, aos portugueses para se absterem, votarem em branco ou nulo nas eleições europeias, no domingo, para mostrarem o «repúdio pelo atual sistema eleitoral», que não reconhece candidaturas de cidadãos às legislativas e europeias.

Numa informação divulgada esta segunda-feira e num evento criado no Facebook, o movimento cívico sugere um ato que classifica de «desobediência civil» para que haja «uma maioria consciente, informada e esclarecida, de pelo menos 50% + 1 voto, que não reconheça legitimidade aos atuais partidos políticos e seus eleitos como sendo os únicos representantes do povo eleitor».

O Movimento Revolução Branca pretende o início de uma «nova ordem política eleitoral, onde o cidadão deixe de ser refém dos eleitos e desta classe política, a única responsável, ao contrário do que querem fazer crer, pela situação em que Portugal se encontra».

Este movimento entregou em março de 2013 na Assembleia da República um denominado «ultimatum», no qual exigia que os partidos não tivessem o «exclusivo dogmático e caduco de serem os únicos representantes do povo eleitor na Assembleia da República».

Nas eleições autárquicas este movimento interpôs várias ações judiciais, no âmbito da lei de limitação de mandatos.