O secretário de Estado dos Assuntos Parlamentares passeou este sábado pela 40.ª Festa do "Avante!", Seixal, "com muito prazer", elogiando o "exigente" PCP, "grande partido da democracia portuguesa", confiando na aprovação do próximo Orçamento do Estado pela esquerda.

Não é a primeira vez, mas obviamente este ano tem um significado diferente. O PCP é um grande partido da democracia portuguesa, esta é uma grande festa e é com um prazer muito grande que posso vir aqui, a título pessoal, não em representação de ninguém, nem do Governo", esclareceu Pedro Nuno Santos, acompanhado pela mulher, Catarina Gamboa, ela sim em estreia no recinto comunista.

No segundo de três dias do evento organizado pelos comunistas, o secretário-geral do PCP, Jerónimo de Sousa, não se cruzou com o dirigente socialista porque "é tanta gente...”.

É uma festa dos comunistas, mas que ultrapassa de longe os militantes. Eu arriscava-me a dizer que mais de metade (dos visitantes) não são militantes. Querem estar nesta festa, sentem-se bem, ficam surpreendidos, alguns fascinados pelas características ímpares, na sua dimensão política, cultural, fraternidade, alegria de viver", disse o líder do PCP.

Sobre a presença de um membro do executivo socialista e de tal ser sinal de boas relações, Jerónimo de Sousa afirmou que "a vinda dessas pessoas, fundamentalmente, mais do que demonstração de bom relacionamento, é a de muita gente que se liberta de preconceitos, vem a esta festa, procura vê-la com olhos de ver e, naturalmente, quando saem desejam vir para o ano".

Eu, pelo menos, trabalho todos os dias com o PCP e é com muito prazer que posso vir à festa deles. Está a correr muito bem. Temos trabalho a decorrer, já avançado, mas ainda não está concluído, portanto, vamos continuar o trabalho", adiantara, por seu turno, o secretário de Estado dos Assuntos Parlamentares, referindo-se ao Orçamento do Estado para 2017.

Pedro Nuno Santos disse que "o PCP é um partido exigente, aliás como o BE, nas negociações", mas revelou que se está a "conseguir construir mais algumas peças na mudança" que está a acontecer em Portugal em termos políticos.

"Precisamos de um orçamento que represente a continuação da mudança que todos estamos a fazer em Portugal e para isso é importante este orçamento, aprovado obviamente pelo PS e pela restante esquerda parlamentar, para que consigamos, mesmo apesar dos constrangimentos, continuar a melhorar a condição de vida dos portugueses", confiou.