António Costa defendeu, este domingo, que «os partidos devem refletir» sobre os resultados destas eleições autárquicas. O candidato socialista à Câmara de Lisboa falou aos apoiantes para se regozijar com os resultados obtidos na capital, mas não abriu o jogo sobre o seu futuro numa eventual liderança do PS.

«Os partidos têm de refletir sobre os processos de funcionamento, de seleção (...) porque nestas eleições os eleitores mostraram que estão cá para mandarem no seu país e não deixar que os outros mandem por nós», sublinhou.

Depois de «saudar democraticamente» os adversários, «que contribuíram para uma campanha que decorreu com uma elevação ímpar».Com Manuel Alegre na audiência, Costa disse que os resultados obtidos «são motivo de grande orgulho, mas também de enorme responsabilidade».

«São os melhores resultados eleitorais alguma vez alcançados por um partido político na cidade de Lisboa. A minha candidatura à câmara ganhou em todas as 24 freguesias da cidade de Lisboa», regozijou-se.

«Pela primeira vez, nestas três eleições conquistámos maioria não só na câmara, mas também na Assembleia Municipal. (...) Ganhámos a maioria das juntas de freguesia na cidade de Lisboa», acrescentou.

Questionado sobre a possibilidade de não cumprir o mandato para que foi eleito por completo, dado que António Costa continua a ser um dos nomes mais aclamados entre os socialistas para disputar as próximas legislativas, o autarca reeleito disse ser «prematuro» quererem vê-lo «já pelas costas».

António Costa deixou assim em aberto a possibilidade de avançar no PS, uma vez que não se comprometeu com o cumprimento total do mandato como presidente da autarquia.