O presidente do PS, Carlos César, defendeu esta terça-feira que existem "largas áreas de consenso" que incluem e vão além dos partidos da atual maioria de esquerda, após uma audiência com o Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa.

Há largas áreas de consenso que incluem e vão para além dos partidos que apoiam a atual solução governativa. Os apelos do senhor Presidente para que se procurem esses consensos são apelos que podem ser transportados para uma dimensão de realização e de grande probabilidade desses consensos em inúmeras áreas", afirmou Carlos César aos jornalistas.

O também líder parlamentar socialista Carlos César esteve acompanhado por Ana Catarina Mendes e João Torres numa primeira audiência com o Presidente da República desde que o Chefe de Estado tomou posse, a quem apresentaram cumprimentos e prometeram "cooperação em benefício do interesse nacional".

Marcelo Rebelo de Sousa fez na segunda-feira no seu primeiro discurso na sessão solene do 25 de Abril um apelo a consensos setoriais de regime.

Se pensarmos no plano institucional não há nenhuma razão para não haver uma confluência muito forte entre a generalidade dos partidos portugueses em políticas como, por exemplo, as da área da transparência ou da qualificação dos cargos políticos", disse.

César apontou ainda, "no plano social, numa abordagem mais cuidada de áreas como a educação ou como a saúde, onde apesar de divergências mais ocasionais ou estruturais, há sempre áreas de consenso e concordância que importa identificar".

No domínio da política económica, emergência e urgência da recapitalização das nossas empresas, no domínio da política externa, no enquadramento e objetivos estratégicos da CPLP, em relação a questões no plano europeu", enumerou.

Carlos César sublinhou ainda que a apresentação do Programa Nacional de Reformas e do Programa de Estabilidade foi lançada pelo Governo com um debate inédito sobre os documentos e abertura à apresentação de propostas pelos partidos.