O Bloco de Esquerda (BE) acusou esta quinta-feira o Governo de estar a vender o país em «liquidação total», no dia em que foi aprovada a privatização da Empresa Geral do Fomento (EGF) em Conselho de Ministros.

«O Governo pôs uma tabuleta à porta do país e essa tabuleta diz ¿liquidação total'. Tem sido essa estratégia do Governo e este é mais um passo nesta estratégia», criticou a deputada bloquista Mariana Mortágua em declarações no parlamento.

A parlamentar falava depois de se saber que PS e PCP vão pedir a apreciação parlamentar do decreto do Governo que aprova a privatização da EGFque esse processo coloca em causa o interesse público.

Em declarações aos jornalistas, os deputados Pedro Farmhouse (PS) e Paula Santos (PCP) manifestaram-se contra o processo de privatização da sub-holding do grupo Águas de Portugal para o setor dos resíduos, a EGF, alegando que não está defendido o interesse público e a salvaguarda da sustentabilidade das Águas de Portugal.

Para o Bloco, a EGF é uma «empresa crucial» para a «qualidade de vida dos portugueses», e como «ativo estratégico» do grupo Águas de Portugal teme-se agora uma privatização do grupo.

A privatização desta sub-holding do grupo Águas de Portugal foi anunciada esta quinta-feira pelo Governo no final do Conselho de Ministros.