A Comissão Nacional do PS aprovou, este sábado, a possibilidade de eleições primárias abertas a simpatizantes para todos os cargos políticos públicos disputados pelo partido, como deputados e autarcas, mas Álvaro Beleza queria a obrigatoriedade da medida.

«Foi uma proposta que o secretário-geral apresentou e aprovou no Congresso, foi hoje ratificada pelos comissários nacionais, é um passo em frente na democracia interna do PS, a consagração da possibilidade da generalização de eleições primárias para todos os cargos públicos em Portugal a que o PS se predispõe a disputar», afirmou a líder da federação de Setúbal, Ana Catarina Santos, citada pela Lusa.

O comissário nacional Álvaro Beleza, que na direção de António José Seguro foi o grande impulsionador das eleições primárias para secretário-geral, queria que os estatutos tivessem ido mais longe e estabelecido a obrigatoriedade.

«O meu receio é que tudo fique na mesma e acho que era altura de o partido definitivamente introduzir esse regulamento de tornar obrigatório eleições primárias, pelo menos para uma parte dos deputados», disse Álvaro Beleza aos jornalistas à saída da reunião do órgão máximo entre congressos do partido, que decorreu hoje em Setúbal.