O Presidente da República, Cavaco Silva, advertiu, esta sexta-feira, que a preservação da capacidade operacional das Forças Armadas, com recursos materiais e humanos adequados, deve merecer especial atenção e apontou a Saúde Militar como «instrumento indispensável».

«A preservação da capacidade operacional requer recursos materiais e humanos adequados à manutenção de níveis de treino e operação das forças. A Saúde Militar assume-se aqui como um instrumento indispensável do Sistema de Forças Nacional, para assegurar a sua operacionalidade, aumentar a confiança, o moral, o rendimento, a autoestima e o bem-estar das tropas», declarou Aníbal Cavaco Silva.

O Presidente da República, que é Comandante Supremo das Forças Armadas, discursava após dar posse ao novo Chefe do Estado-Maior-General das Forças Armadas (CEMGFA), Pina Monteiro, no Palácio de Belém.

Novo CEMGFA adverte para a necessidade de respeitar condição militar

Cavaco Silva disse em seguida ser «necessário que o processo de instalação e funcionamento do Hospital das Forças Armadas seja concluído com sucesso», frisando que nas situações de «grande constrangimento, é sobre as pessoas que as dificuldades se fazem sentir de forma mais direta e intensa».

O Presidente da República considerou ser importante que a «ação de comando seja centrada nas pessoas, dando especial atenção aos problemas concretos dos militares», cujas expetativas considerou legítimas.