O Presidente da República condecorou esta segunda-feira cinco políticos madeirenses, entre os quais Alberto João Jardim, que reconheceu ser uma pessoa polémica, mas também um defensor dos interesses da Madeira e um patriota.

"O seu empenho em fazer obra, em mudar a face da região é reconhecido de forma generalizada, todos sabemos que o doutor Alberto João Jardim é um político polémico, de fortes convicções com as quais podemos ou não concordar, mas sempre vi nele um homem defendendo acerrimamente os interesses da Madeira e das suas gentes, um patriota", afirmou o chefe de Estado, Aníbal Cavaco Silva, antes de condecorar o ex-Presidente do Governo Regional da Madeira com a Grã-Cruz da Ordem Militar de Cristo.


Lembrando que Alberto João Jardim esteve 37 anos à frente da chefia do Governo Regional da Madeira "na mais longa carreira política do Portugal democrático", Cavaco Silva destacou o contributo decisivo que deu para a melhoria dos índices de desenvolvimento da Madeira em todos os domínios.

"Alberto João Jardim dedicou a sua vida à causa pública, a Madeira muito lhe deve", sublinhou.

Além de Alberto João Jardim, o Presidente da República condecorou o ex-Presidente da Assembleia Legislativa da Madeira Miguel Mendonça (Grã-Cruz da Ordem do Infante D. Henrique), o ex-secretário de Estado do Turismo Bernardo Trindade, o ex-vice-presidente da Assembleia da República Guilherme Silva e o antigo deputado Correia de Jesus (os três últimos com a Grande Oficial da Ordem do Infante D. Henrique).

"Cinco políticos madeirenses que no exercício das suas funções prestaram relevantes serviços à região e ao país", disse o chefe de Estado, lembrando a "sabedoria e sentido de Estado" com que Miguel Mendonça exerceu durante 21 anos "um dos cargos mais difíceis" da região da Madeira.

Na sua intervenção, o Presidente da República recordou também a forma como Guilherme Silva contribuiu para a "eficiência da Assembleia da República", ao longo dos 28 anos em que foi deputado e dos dez anos em que exerceu o cargo de vice-presidente do parlamento.

O contributo dado por Correia de Jesus no Conselho Superior de Defesa Nacional para que fossem tomadas as melhores decisões no domínio das Forças Armadas e da defesa e o conhecimento e empenho de Bernardo Trindade para a definição de uma melhor política na área do Turismo foram igualmente destacadas por Cavaco Silva.

Falando em nome de todos os homenageados, Alberto João Jardim agradeceu a distinção com "afetuoso reconhecimento", sublinhando que o tempo político que por todos passou não os "empederniu" e, por isso, estarem a viver com "emoção" o momento.

"Procurámos todos cumprir o nosso dever, dever entendido como um imperativo da consciência moral para em liberdade, sempre em liberdade, atingirmos determinados objetivos coincidentes com a concretização do bem comum", sublinhou, acrescentando, contudo, que apesar da idade todos continuam ao serviço de Portugal.


"Em Portugal nenhuma pessoa pode ser descartável e muito menos pela idade, apesar da competitividade materialista e apesar do relativismo nenhum português pode e deve ser posto à margem. Por isso, todos nós continuamos aqui ao serviço de Portugal", assegurou.