O II Congresso do partido Livre aprovou este domingo por unanimidade a alteração da designação para Livre/Tempo de Avançar, que deverá constar no boletim de voto com a sigla L/TDA, e um referendo interno sobre as eleições presidenciais.

«O Congresso foi essencialmente estatutário e de organização e realizou-se nesta altura porque queríamos garantir que os eleitores irão encontrar nos boletins de voto a designação Livre/Tempo de Avançar», afirmou à Lusa Rui Tavares, do Livre, argumentando que esta decisão mostra que «há um partido que se abriu a uma candidatura cidadã».


Reunido na Costa de Caparica, no concelho de Almada, o partido aprovou por unanimidade a alteração do nome que terá como sigla L/TDA, um processo que seguirá agora para o Tribunal Constitucional, de foram a poder concorrer às legislativas com essa designação.

No dia 28 junho em Lisboa haverá um «Congresso político, realizado no modelo de abertura a outras organizações, que virão ao congresso», acrescentou Rui Tavares.

No Congresso realizado hoje foi aprovada uma resolução sobre as eleições presidenciais que aponta para a realização de um referendo interno e uma consulta ao Tempo de Avançar, formação com que concorrem às legislativas na «candidatura-cidadã Livre/Tempo de Avançar».

«Aprovámos uma resolução sobre presidenciais na qual é dada nota de que o instrumento do referendo já existe, e foi pensado para este tipo de situações em que os partidos não participam, mas podemos querer auscultar membros e apoiantes para saber que candidato ou candidata apoiar», afirmou.


«Nós enquanto partido estamos concentrados nas legislativas», declarou, sublinhando, contudo, o empenho em eleger «um Presidente da República progressista que ajude a romper com o ciclo de conservadorismo».

A resolução aprovada não tem um calendário para a realização do referendo interno, disse.

O Congresso do Livre aprovou também as primárias para todos os círculos eleitorais, que contarão com uma regra de «ficha limpa», ou seja, os «condenados por corrupção, abuso de poder e peculato não poderão candidatar-se».

«Primeira vez na história da democracia portuguesa a feitura das listas não estará nas mãos de um diretório partidário», declarou.


Rui Tavares disse que ainda não há candidatos anunciados às primárias, que terão de apresentar-se no dia 25 de Abril, como já tinha sido anunciado na semana passada.

A candidatura cidadã Livre/Tempo de Avançar junta o partido Livre e as associações Fórum Manifesto, dos ex-bloquistas Ana Drago e Daniel Oliveira, e Renovação Comunista, o Movimento de Intervenção e Cidadania do Porto (MIC-Porto) - participante na candidatura presidencial do histórico socialista Manuel Alegre - e outras personalidades da esquerda envolvidas no «Manifesto 3D» («Dignidade, Democracia e Desenvolvimento») e Congresso Democrático das Alternativas, como Boaventura Sousa Santos, Isabel do Carmo, José Castro Caldas, Pilar del Rio ou Ricardo Sá Fernandes.