O candidato presidencial Henrique Neto vai ser o primeiro nome nos boletins de voto das eleições de 24 de janeiro, ditou hoje o sorteio realizado pelo Tribunal Constitucional (TC), em Lisboa, enquanto Paulo Morais ocupa o décimo lugar.

A seguir ao empresário e militante socialista Henrique Neto segue-se o ex-reitor da Universidade de Lisboa António Sampaio da Nóvoa e em terceiro lugar estará Cândido Ferreira, socialista e médico de profissão.

No quarto lugar figurará o candidato apoiado pelo PCP, Edgar Silva, antigo padre católico e deputado na Assembleia Legislativa da Madeira, em quinto lugar o sorteio ditou o candidato Jorge Sequeira, psicólogo e docente, em sexto lugar Vitorino Silva, calceteiro e ex-presidente de junta no concelho de Penafiel, conhecido por Tino de Rans.

Em sétimo lugar surge a candidata apoiada pelo Bloco de Esquerda, Marisa Matias, deputada europeia e dirigente bloquista.

Os últimos três lugares vão respetivamente para Maria de Belém Roseira, antiga presidente socialista e ex-ministra da Saúde e deputada, Marcelo Rebelo de Sousa, comentador político, professor universitário e antigo presidente social-democrata e deputado à Constituinte, e Paulo Morais, gestor e ex-vice-presidente da autarquia portuense.

A ordenação é ainda provisória porque os juízes do Palácio Ratton têm até 04 janeiro para decidir sobre a admissibilidade das candidaturas.

Por sua vez, eventuais reclamações serão admitidas até 05 de janeiro. No dia 11 de janeiro, esgotados eventuais recursos, o rol de candidatos será, finalmente, o definitivo.

Entregaram o processo de candidatura junto do Tribunal Constitucional 10 candidatos: Paulo de Morais foi o primeiro (01 de dezembro), seguindo-se Edgar Silva, Henrique Neto e Marisa Matias. Mais perto do final do prazo (24 de dezembro), Maria de Belém, Sampaio da Nóvoa e Jorge Sequeira formalizaram os respetivos processos e no dia 23 de dezembro foi a vez de Vitorino Silva (Tino de Rans), Cândido Ferreira e Marcelo Rebelo de Sousa.

Em 2011, apresentaram o processo no TC nove candidatos, porém, após uma verificação de candidaturas, apenas foram admitidos seis.

Há cinco anos, o TC anunciou a 29 de dezembro que admitiu seis candidaturas à Presidência da República: Cavaco Silva, Defensor Moura, Francisco Lopes, Manuel Alegre, Fernando Nobre e José Manuel Coelho.

As três candidaturas rejeitadas, por não preencherem os requisitos legalmente previstos, foram as de Diamantino Maurício da Silva, Luís Filipe Botelho Ribeiro e Josué Rodrigues Gonçalves Pedro.