O ex-líder da CGTP, Manuel Carvalho da Silva, disse este sábado que não exclui uma candidatura à Presidência da República se for solicitado para «dar um contributo» ao país, mas não vive «obcecado» pela ideia.

«Essa ideia de corrida não tem sentido. Se me perguntar se não reflito sobre esse problema e se não me preocupo com uma construção de uma candidatura que possa ajudar a que haja, amanhã, um Presidente da República bem diferente do atual, porque o atual também neste processo da Grécia deu mais um exemplo do que não deve ser um Presidente da República…», referiu o sindicalista, sociólogo e coordenador da delegação Centro de Estudos Sociais (CES) em Lisboa e do Observatório sobre Crises e Alternativas, em declarações à Rádio Renascença.

«Se me perguntar se anda empenhado nisso, se discuto, se analiso, sim senhor, procurarei dar o meu contributo à construção», precisou o também professor catedrático convidado da universidade Lusófona.

O ex-secretário-geral da CGTP, 66 anos, distanciou-se do discurso de uma «corrida» à Presidência, e disse que não vive «obcecado» pela ideia, mas também não rejeita essa possibilidade.

«Essa questão não está colocada e eu não vivo obcecado por essa coisa, mas também digo que se essa questão se colocar e se disser: ‘Tu tens que dar aqui um contributo’, logo se vê como se resolve a coisa», acrescentou.