O líder do CDS-PP pediu hoje em Mafra ao candidato à presidência da Comissão Europeia pelo Partido Popular Europeu, Jean Claude Juncker, a manutenção dos apoios comunitários à agricultura portuguesa, durante uma visita a uma exploração agrícola.

«Houve tempos em que o dinheiro do PRODER [Programa de Desenvolvimento Rural] ficava no cofre das finanças ou era devolvido a Bruxelas. Neste momento, Portugal tem 82% de execução no terreno junto dos agricultores, quatro pontos acima da média europeia. É isso que nos dá autoridade para pedir que, no próximo quadro comunitário de apoio, este investimento na agricultura se mantenha», afirmou Paulo Portas, enquanto mostrava ao candidato europeu uma estufa de produção de tomates biológicos.

O candidato luxemburguês, apoio pelo CDS-PP e PSD portugueses, respondeu que «a Europa não vai deixar cair os agricultores, sobretudo os que inovam e arriscam», lembrando que existem disponíveis 400 mil milhões de euros de apoios, destinados aos agricultores com menos de 40 anos, que representam 7% do total.

Um dia depois da saída de Portugal da troika, Jean Claude Juncker mostrou-se satisfeito com a «saída do programa sem prolongamento da assistência», mas alertou que «a crise não terminou, porque há portugueses sem trabalho», ainda que surjam sinais de «crescimento e de emprego».

Paulo Portas juntou-se hoje a Jean Claude Juncker, numa visita que este realizou a uma exploração de agricultura biológica, na localidade de Azueira, no concelho de Mafra, tendo o vice-primeiro-ministro dito que estava apenas disponível para responder a questões relacionadas com agricultura.