Atores, músicos, realizadores de cinema, estilistas, escritores e empresários ligados à cultura manifestaram esta quinta-feira o apoio ao candidato às primárias do PS, António Costa, inscrevendo-se como simpatizantes socialistas para votarem no próximo dia 28.

Numa ação que decorreu no Chiado, em Lisboa, várias personalidades ligadas à cultura, como os realizadores de cinema António-Pedro Vasconcelos e Ruben Alves, o maestro António Vitorino D¿Almeida, os estilistas Nuno Gama e Eduarda Abbondanza, a empresária Catarina Portas e o escritor e fundador das produções Fictícias Nuno Artur Silva, formalizaram as inscrições de simpatizantes.

«É muito importante que esta campanha mobilizar Portugal se dirija não só a militantes do PS, como também a pessoas que sejam simpatizantes do PS ou que vejam no PS, neste momento, a alternativa ao atual Governo e a atual política», disse aos jornalistas António Costa.

O candidato às primárias apelou aos militantes e simpatizantes do PS para que participem na escolha do candidato a primeiro-ministro.

«Neste processo de eleições primárias é importante que os militantes e simpatizantes se mobilizem para poderem escolher e participar. Quanto maior for a participação, maior autenticidade terá esta escolha», sublinhou, recordando que as inscrições como simpatizantes decorrem até 12 de setembro.

O PS anunciou, na quarta-feira, que o número de simpatizantes socialistas inscritos para votar no próximo dia 28 nas primárias do PS atingiu os 55 mil, com o distrito de Lisboa a recolher um terço do total das inscrições.

António Costa adiantou que o número de simpatizantes tem estado a crescer e que vai continuar a aumentar.

Ressalvando que é simpatizante de António Costa e não militante do PS, o maestro António Vitorino D¿Almeida afirmou aos jornalistas que o atual presidente da Câmara de Lisboa é «indiscutivelmente» a pessoa indicada para primeiro-ministro.

Também o realizado do filme «A Gaiola Dourada», Ruben Alves, disse que se identifica com António Costa, sendo um apoio pela pessoa e não ao partido.

«Eu acredito nas pessoas, não sou de partidos, em França é igual. Quando há uma pessoa que me identifico sigo-a», afirmou, esperando que António Costa passa a dar mais apoio à cultura em Portugal.

Já a empresária Catarina Portas e irmã do vice-primeiro-ministro Paulo Portas considerou António Costa como alguém que «já mostrou que é capaz de muita coisa» e que «pode ser um ótimo primeiro-ministro».

Catarina Portas, que também ressalvou ser apenas simpatizante, disse ainda que na sua família «sempre houve opiniões bastante independentes» e que Paulo Portas (líder do CS-PP) é «um excelente político».

Sobre as eleições para as 19 federações do PS, que decorrem na sexta-feira e no sábado, poucas semanas antes das primárias do partido, António Costa disse ainda aos jornalistas que os dois atos eleitorais são distintos e as federações são autónomas.

«O partido foi muito maduro em separar bem a escolha das federações na escolha que está em causa nas eleições primárias. Não é possível querer reproduzir nas federações a escolha que podemos fazer nas eleições primárias», como reporta a Lusa.