António Costa, anunciou esta terça-feira estar disponível para avançar para a liderança do PS, admitiu que a vitória socialista nas europeias de domingo «sabe a pouco».

Na noite eleitoral, em que o líder socialista, António José Seguro, considerou uma «grande vitória» o resultado do partido (31,4%) face à derrota do PSD e do CDS (27,7%), vários dirigentes do partido afirmaram não estar em causa a liderança de Seguro.

O filme de pouco mais de 24 horas na vida dos socialistas que pode levar a uma volta de 180 graus na liderança.

«O PS teve hoje uma grande vitória. Uma grande vitória eleitoral», disse Seguro no domingo, lembrando que «esta é a segunda vitória consecutiva do PS», depois das autárquicas de 2013.

Uma hora depois, o ex-primeiro-ministro socialista José Sócrates considerou que a vitória do PS nas europeias é pouco expressiva, mas não justifica discutir a liderança de Seguro: «Não me parece. Como é que se discute um líder que ganha? Não faz parte do que é normal em política», defendeu José Sócrates, admitindo que a vitória do PS «não é muito expressiva», uma vez que não se situou acima dos 40%.

Na TVI24, Augusto Santos Silva considerou que «falta muito trabalho ao PS para ganhar as eleições legislativas», afirmando que o partido «tem que olhar com cuidado para a pulverização de votos à esquerda».

Já perto das 24:00,na SIC Notícias, António Costa considerou que todos os socialistas devem estar alegres com a vitória nas europeias, mas também preocupados porque nas legislativas não podem voltar a ter «uma vitória que sabe a pouco».Estava dado o mote.

O antigo líder do PS, Eduardo Ferro Rodrigues, tentou, em entrevista à TSF, colcar um freio, admitindo que o resultado do PS soube a pouco, «não foi suficientemente impressionante», mas desaconselhou a discussão da liderança de António José Seguro.

Mas, esta terça, no «DN», Mário Soares acendeu a lareira: o ex-Presidente da República Mário Soares admite que o resultado do PS nas eleições europeias representou «uma vitória de Pirro», que «não deveria ter sido aclamada com o entusiasmo com que o seu líder o fez».

Confrontada com estas palavras, a presidente do PS, Maria de Belém, afirmou respeitar todas as opiniões mas frisou que «se alguém tem dúvidas», o Partido Socialista ganhou as europeias e considerou «pouco inteligente» desvalorizar a vitória.

«[O dr. Mário Soares] é uma pessoa que o PS respeita imenso, é um fundador do Partido Socialista, um fundador da democracia portuguesa, é um democrata ao qual todos nós devemos o restabelecimento das liberdades democráticas em Portugal e portanto terá sempre toda a liberdade para fazer a avaliação que faz. Está no seu direito, já fez muitas outras e é nosso dever respeitar essas opiniões como respeitamos todas as pessoas», declarou.

Meia hora depois, António Costa revelava a sua disponibilidade para ser candidato à liderança do PS aos microfones das rádios e das televisões. Um impulso ou talvez não, porque, antes deste anúncio, surgia esta página no Twitter: