O ministro Adjunto e do Desenvolvimento Regional, Miguel Poiares Maduro, considerou hoje muito importante para o futuro do país que o PS mostre «disponibilidade para o compromisso, para a negociação», de forma a encontrar «soluções comuns».

«O consenso não existe, procura-se», afirmou o ministro aos jornalistas, em Tondela.

Ainda que entenda que Governo e PS não têm «de estar de acordo sobre tudo», Poiares Maduro afirmou que esse entendimento tem de existir relativamente às regras nas quais Portugal tem de se basear para funcionar e para «se manter dentro do euro e dentro da Europa».

«Temos de estar todos disponíveis para procurar esse compromisso. Não podemos partir de uma posição inicial em que dizemos: "porque não estamos neste momento de acordo, nem sequer o vamos procurar, nem sequer estamos disponíveis para esse compromisso, nem para essa negociação"», sublinhou.

Na sua opinião, o Governo tem sido «muito claro» ao dizer que a procura desse compromisso é muito importante «quer em termos de estabilidade de políticas públicas que devem ultrapassar os ciclos eleitorais, quer em termos de credibilidade internacional».

«Nós mantemos toda a disponibilidade nesse sentido. Essa disponibilidade para o compromisso é o que nos permitirá encontrar pontos em comum», frisou.

Poiares Maduro considerou que os pontos em comum têm, desde logo, de ser encontrados com base nas obrigações europeias de Portugal.

«Para que Portugal possa permanecer na zona euro e no centro da Europa, essas obrigações europeias exigem de todos nós um esforço muito grande no sentido da procura desse compromisso, de um consenso», acrescentou.

O governante disse não acreditar que alguém «se queira excluir e colocar à margem daquilo que é um objetivo fundamental para o país e que passa, desde logo, pelo cumprimento dessas regras europeias» e lembrou que o Governo já manifestou disponibilidade para a procura desses compromissos «num conjunto alargado de matérias».