O Partido Ecologista "Os Verdes" (PEV) vai avançar com uma moção de rejeição autónoma ao programa de Governo PSD/CDS-PP. A decisão foi tomada esta sexta-feira, após novas "reuniões técnicas" com o PS, tendo sido avalizada pela comissão executiva dos ecologistas.

PS, BE e PCP já tinham manifestado a intenção de apresentar iniciativas semelhantes, embora houvesse a hipótese de o fazerem em conjunto.

O PEV considera que a apresentação de uma moção de censura autónoma ao Governo "tem exatamente a mesma força" do que a apresentação de vários textos nesse sentido de vários partidos da oposição.

"O facto de aparecerem várias ou apenas uma tem exatamente a mesma força: todos os partidos demonstrarão a sua vontade perante o plenário da Assembleia da República e a impossibilidade das condições de governabilidade deste Governo", vincou a deputada ecologista Heloísa Apolónia em declarações no parlamento.


A parlamentar falava depois de se ter ficado a saber que o PEV vai avançar com uma moção de rejeição autónoma ao programa de Governo PSD/CDS-PP, numa decisão hoje tomada após novas "reuniões técnicas" com o PS.

PS, BE e PCP já tinham manifestado a intenção de apresentar iniciativas semelhantes, embora houvesse a hipótese de o fazerem em conjunto.

Heloísa Apolónia, que não comentou ainda ao detalhe o Programa do Governo hoje entregue no parlamento, sublinhou que PSD e CDS-PP "continuam a recusar a ideia da derrota eleitoral" das legislativas de 04 de outubro, não reconhecendo o "novo quadro parlamentar" de maioria de deputados que reclamam uma "mudança de políticas".

"Essa continuidade [PSD/CDS-PP] foi recusada nas últimas eleições", sustentou, acusando ainda os partidos de "arrogância" por apenas se mostrarem disponíveis para dialogar com o PS e não com outras forças parlamentares.

O debate no parlamento do Programa do Governo entregue esta sexta-feira ao presidente da Assembleia da República, Eduardo Ferro Rodrigues, está marcado para segunda e terça-feira, dias 09 e 10 de novembro, e a sua rejeição - através de moções que foram já anunciadas por PS, BE, PCP e PEV - implica a demissão do executivo.