O líder do PSD, Pedro Passos Coelho, afirmou esta quarta-feira que as previsões da OCDE "não trazem nada de positivo", mas não o surpreendem, reiterando o apelo ao Governo para que corrija "pelo menos a política económica".

"São previsões que não trazem nada de positivo, mas de certa maneira não surpreendem porque estão muito em linha com aquilo que têm sido as previsões avançadas por outras instituições internacionais e mesmo nacionais", respondeu Pedro Passos Coelho aos jornalistas à margem de uma visita a uma creche da Cruz Vermelha Portuguesa, na Póvoa de Santo Adrião, quando questionado sobre os dados da OCDE conhecidos hoje, que piorou a estimativa para o défice.

Na opinião do líder do PSD, estas "não são projeções simpáticas", preferindo que "da parte do Governo não houvesse um alheamento destas indicações e que pudesse haver alguma correção pelo menos da política económica" para que fosse possível "encarar o futuro com um bocadinho mais de otimismo do que estas previsões permitem acalentar nesta fase".

"Os motores do crescimento associados às exportações e ao investimento estão a falhar e isso é muito negativo que aconteça", explicou Passos Coelho.

Também o crescimento da economia sustentado no consumo interno, segundo Passos Coelho, "é uma arma muito limitada, sobretudo porque não está assente numa recuperação sustentada de rendimentos e porque sem mais exportações e sem investimento a dinamização do mercado interno por via do consumo acaba sempre por gerar desequilíbrio externo".

"Aquilo que representou um equilíbrio externo muito importante alcançado nos últimos anos pode reverter também", avisou.

A OCDE piorou a estimativa para o défice, esperando agora que atinja 2,9% este ano, e admite que o Governo português tenha de implementar novas medidas de contenção orçamental, especialmente caso a economia não acelere.

Nas previsões económicas divulgadas hoje, a Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Económico (OCDE) piorou a sua estimativa para o défice de Portugal, esperando agora que atinja os 2,9% do Produto Interno Bruto (PIB) este ano, quando em novembro antecipava um défice de 2,8%.

Assim, a OCDE está mais pessimista do que o Governo, que mantém como meta para este ano um défice para 2,2% do PIB, e junta-se ao Fundo Monetário Internacional (FMI), que também antecipa um défice de 2,9%, e à Comissão Europeia, que estima um défice de 2,7%.