O líder parlamentar bloquista afirmou hoje que o BE "quer ser a força mais forte do Governo de Portugal" para melhor defender as pessoas, assegurando que estará sempre do lado da maioria parlamentar que reponha rendimentos e direitos.

"E à pergunta quer o Bloco de Esquerda ser Governo, a resposta é: quer ser a força mais forte do Governo de Portugal porque sabe que é assim que mais forte defende as pessoas", disse Pedro Filipe Soares na X Convenção do BE, no discurso de apresentação da moção A à reunião magna.

Sobre a ideia de um eventual cronómetro que está a contar "para mandar abaixo o Governo" o líder da bancada parlamentar foi perentório: "nós estamos do lado das pessoas na garantia que esta maioria parlamentar lhes trará sempre e em cada momento a reposição de rendimentos e de direitos e em cada momento que esta maioria parlamentar estiver deste lado, nós estamos lá com toda a força".

Sobre o próximo Conselho Europeu, que decorre terça e quarta-feira em Bruxelas, Pedro Filipe Soares diz que espera que seja defendido que "não é aceitável que se apliquem sanções a Portugal".

"Mas acima de tudo o que é que o BE procurará sempre na sua atuação? É que a maioria social em Portugal diga que se levantará contra Bruxelas sempre que Bruxelas se virar contra Portugal. Em Portugal a democracia é nossa e a soberania é do nosso povo nas suas decisões", enfatizou.

Segundo o deputado bloquista, "o PS já sabe que o Bloco se vai bater sempre pelo interesse de Portugal", reconhecendo que na Europa há uma matéria em que a opinião do BE é diferente da do PS.

"Mas também é verdade que há cada vez mais pessoas que dizem de facto que não há futuro nesta Europa, só passado, e que se nós queremos futuro temos de construir uma outra maioria social à escala europeia", advogou.

Sobre o acordo parlamentar com o PS que possibilitou um Governo de esquerda no país desde novembro passado, Pedro Filipe Soares afirmou que "valeu a pena o Bloco ter feito a escolha que fez".

"O que nós propomos na moção A é que o Bloco seja o Bloco. O Bloco nunca está na política para esquecer as pessoas, nunca troca lugares por valores", assegurou.