O secretário-geral do PCP, Jerónimo de Sousa, defendeu, esta segunda-feira, em Gaia, que a decisão governamental de repor o pagamento de feriados «não é um ato de boa vontade», mas sim «resultado da luta dos trabalhadores».

«O Governo anunciou porque o Tribunal Constitucional (TC) assim o tinha decidido. Não há nenhum ato de boa vontade por parte do Governo», disse Jerónimo de Sousa, que falava à margem de uma sessão do Clube dos Pensadores.

Para o líder dos comunistas, esta decisão «corresponde a uma grande vitória dos trabalhadores», vincando que estes, porque «nunca desistiram [de lutar] nas empresas e locais de trabalho», independentemente do que o TC a viesse a decidir.

Os jornais Diário de Notícias, Jornal de Notícias e Dinheiro Vivo adiantam esta segunda-feira que o Governo vai cumprir o acórdão do Tribunal Constitucional (TC) e não prolonga o corte de 50% no pagamento de feriados e horas extraordinárias em vigor desde 2012 no setor privado.