O secretário-geral do PCP, Jerónimo de Sousa, lamentou a forma como foi gerido o denominado «caso BPN», defendendo ser merecedor de um julgamento político por parte do povo português porque «há muita gente envolvida».

«O povo português deve julgar sim, no plano político, estes comportamentos, atitudes, episódios, para que não se repitam estas situações de andarmos todos a pagar milhares de milhões de euros pelos abusos, pela jogatana, pela especulação, sobrando depois a dívida para cada um de nós», afirmou, na sede comunista, em Lisboa, após um encontro com membros da Intervenção Democrática.

Jerónimo de Sousa fora questionado sobre o comunicado do Presidente da República, Cavaco Silva, que reiterou hoje ter como única relação com o BPN ou as suas empresas foi enquanto depositante, em resposta a afirmações do antigo Chefe de Estado Mário Soares.

O fundador do PS tinha levantado uma questão: «Por que é que o Presidente da República não é julgado?».

«O problema é político num processo em que há muita gente envolvida e começou logo mal quando foram nacionalizados os prejuízos, mantendo a parte rentável do grupo fora da nacionalização», continuou o líder do PCP, acrescentando que «este Governo, tal como o anterior, bem podem limpar as mãos à parede» no âmbito da polémica do BPN.