O vice-primeiro-ministro e líder do CDS-PP, Paulo Portas, disse hoje que a coligação PSD/CDS-PP pretende discutir o eventual apoio a um candidato em comum às presidenciais de 2016 "preferencialmente" após as legislativas deste ano.

"O que nós [coligação PSD/CDS-PP] dissemos [na quarta-feira] com clareza foi que preferencialmente, ou seja, a nossa preferência é que essa matéria seja discutida depois das legislativas", afirmou Paulo Portas, aos jornalistas, durante uma visita à feira agropecuária Ovibeja, a decorrer até domingo, em Beja.

Questionado sobre esta alteração, o presidente do PSD já tinha considerado que o acordo “é claro” em matéria de presidenciais, citando apenas o documento: " Será preferencialmente depois. Está escrito em bom português.” Pedro Passos Coelho não explicou por que os dois partidos de direita decidiram precaver uma eventual antecipação de um candidato comum a Belém.

No acordo de coligação que foi votado na quarta-feira pelos conselheiros nacionais do PSD e do CDS-PP, os dois partidos comprometem-se a dialogar para apoiar " um candidato em comum" às presidenciais de 2016, "preferencialmente após as legislativas" deste ano.

Questionado pelos jornalistas sobre a data que o CDS-PP prefere para a realização das eleições legislativas deste ano, após o Presidente da República ter dito hoje que as marcará em julho, Paulo Portas disse que quando Cavaco Silva consultar o partido dir-lhe-á "naturalmente".

O Presidente da República, Aníbal Cavaco Silva, disse hoje que anunciará a data das eleições legislativas em julho, recordando que terão de ocorrer entre 14 de setembro e 14 de outubro.