(Sofia Aureliano, autora da biografia de Passos Coelho)

“Aconteceu a receção de um SMS em que, efetivamente, o dr. Paulo Portas informava que pretendia demitir-se. Não é uma demissão, é uma intenção de se demitir. (…) A formalização da demissão terá sido feita por carta, [e] isso não é referido, porque na realidade não interessa.”


é por isso que este momento é relatado

“Não há aqui nenhum empolamento, nem houve nenhuma tentativa de fazer disto um caso, porque [Passos e Portas] comunicam por SMS diariamente”.




“Não foi Pedro passos Coelho que disse que o Presidente da República deixou a coligação em banho-maria, fui eu

nem tão pouco “o produto final”

“É uma biografia consentida, o que significa que ele autorizou, participou, deu acesso. Nunca leu o excerto do livro, não conhece o alinhamento que eu dei, nem as histórias que eu contei. Toda a seleção feita faz parte de uma interpretação que eu fiz, e faz parte da seleção que eu quis dar. [Passos Coelho] não conhece o produto final.”





“Não me tinha passado pela cabeça [escrever] sobre Passos Coelho”