O primeiro-ministro, Pedro Passos Coelho, destacou o «papel importante» que o general Pires Veloso, que morreu no domingo, «ocupou no processo de consolidação democrática».

«O general Pires Veloso deixa-nos um exemplar percurso de vida, marcado pelo seu desempenho militar e pelo papel importante que ocupou no processo de consolidação democrática, nomeadamente durante o período em que comandou a Região Militar do Norte»", pode ler-se numa nota enviada à comunicação social.

«O País perdeu assim um cidadão único, marcante para várias gerações de Portugueses, e todos devemos prestar à sua memória, nesta hora de recolhimento, uma sincera e justa homenagem», refere o texto, acrescentando que Passos Coelho apresentou condolências, «em nome do Governo e a título pessoal», à família do general.

Pires Veloso morreu no domingo, num hospital do Porto, aos 88 anos. Enquanto governador militar do Norte foi um dos principais intervenientes no contragolpe militar de 25 de Novembro, que pôs fim ao «Verão Quente» de 1975.

Também o Presidente da República, Cavaco Silva, lembrou Pires Veloso e destacou o «contributo decisivo» do general na consolidação da democracia portuguesa.

«Ao longo de uma brilhante carreira militar, o General Pires Veloso distinguiu-se enquanto comandante da Região Militar do Norte, sendo uma figura marcante do período de consolidação da nossa democracia. No exercício dessa exigente missão, contribuiu de forma decisiva, com as forças sob o seu comando, para a estabilidade das Forças Armadas e para o desenvolvimento do processo democrático em Portugal», lê-se numa nota na página oficial da Presidência da República na internet.

Cavaco Silva presta homenagem à «figura deste português que serviu o país de forma corajosa, abnegada e patriótica», ao mesmo tempo que envia «sentidas condolências» à família do general.