O presidente do PSD e primeiro-ministro, Pedro Passos Coelho, defendeu esta quinta-feira que a disciplina nas contas públicas é uma questão de regime, reiterando a tese de que, nesta matéria, não há esquerda nem direita.

«Essa responsabilidade devia ser hoje apartidária, porque é uma questão de regime. Sem responsabilidade é o regime que está em causa», declarou Passos Coelho, numa sessão evocativa dos antigos primeiro-ministro Francisco Sá Carneiro e ministro da Defesa, Adelino Amaro da Costa, que morreram na queda de um avião a 04 de dezembro de 1980.

Perante a plateia de sociais-democratas e centristas que assistiram a esta sessão, realizada num hotel de Lisboa, o primeiro-ministro acrescentou: «Podemos divergir em muitas coisas, achar que o Estado deve ser mais assim ou mais assado, mas sem contas certas, o que temos é impostos e sacrifícios».