A conferência de líderes parlamentares acordou esta quarta-feira a marcação de um plenário extraordinário para 25 de julho, onde haverá a votação final global da reintrodução de cortes salariais na função pública.

O plenário terá apenas votações na agenda, e acontece no dia imediatamente a seguir ao dia final da consulta pública do diploma, lembrou aos jornalistas o porta-voz da conferência de líderes, o deputado do PSD Duarte Pacheco.

A maioria PSD/CDS-PP aprovou na terça-feira no parlamento, em votação na generalidade, a reintrodução de cortes salariais que, de acordo com o Governo, atingirão «apenas» metade do total dos funcionários públicos.

A proposta de lei teve os votos favoráveis de PSD e CDS-PP e os votos contra de toda a oposição, e segue agora para sede de comissão.

Antes da votação, num período de debate, o secretário de Estado da Administração Pública, José Maria Leite Martins, garantiu que as reduções que o Governo pretende reintroduzir nos salários atingirão «apenas» metade do total dos funcionários públicos.

«As remunerações mensais superiores a 1.500 euros abrangem apenas cerca de metade do conjunto de trabalhadores», disse Leite Martins.