O partido ecologista «Os Verdes» questionou esta sexta-feira o primeiro-ministro sobre uma série de casos de cancro na Direção-Geral de Energia e Geologia, alegadamente surgidos devido a exposição a amianto no local de trabalho.

Amianto: nove funcionários públicos morrem com cancro

«Isto é uma incúria grave», acusou a deputada Heloísa Apolónia, referindo-se a uma caso hoje noticiado pela TSF, que revela que os funcionários públicos da referida direção geral estão alarmados com os casos de cancro recentes na entidade, 19 no total, tendo pedido a mudança de instalações.

Atualmente a trabalhar num edifício na Avenida 05 de outubro, em Lisboa, os trabalhadores pediram a mudança de instalações, com o secretário de Estado da Energia, Artur Trindade, a dizer à TSF que já deu ordens para que se troquem de instalações mas que devido à crise financeira do Estado a renda do novo edifício não poderá ser superior à que é paga hoje.

O primeiro-ministro disse esta manhã no debate quinzenal no parlamento desconhecer o «caso particular» apontado por Heloísa Apolónia, garantindo que se iria informar sobre o mesmo e prometendo acelerar o processo de inventariação dos edifícios com amianto.

«É verdade que relativamente ao inventário que necessitava de ser feito, esse inventário ainda não está realizado. E é verdade que as insuficiências de natureza financeira nos têm impedido de poder desempenhar de forma mais diligente estas obrigações», assumiu o líder da coligação PSD/CDS-PP.

«A resposta que o senhor primeiro-ministro deu é grave. Ela já foi ouvida da boca de outros membros do Governo, e não apenas por membros deste Governo», declarou depois a parlamentar d`"Os Verdes", reclamando maior ação e rapidez na inventariação dos edifícios.

«Peço-lhe, por favor, ação», apelou Heloísa Apolónia.