«Quem não tem memória não honra a sua história e é importante lembrar que este Governo, esta maioria, fez um relevante serviço na salvaguarda do Estado e em particular do nosso Estado Social», afirmou o deputado Cristóvão Simão Ribeiro, recentemente eleito líder da JSD, numa declaração política no Parlamento.




«Em 2010, Portugal tinha um défice de 11,2%, o mais alto da nossa História democrática. Este cenário tem um rosto e um responsável, o responsável pelos 153 milhões de euros em relatórios e estudos associados ao TGV, pelas ruinosas PPP rodoviárias, pelo desastre da Parque Escolar», atirou, numa crítica aos socialistas.


«A juventude portuguesa sabe que a dívida está controlada e Portugal financia-se a mínimos históricos, quem na realidade defende o Estado social é esta maioria, porque quem valoriza o Estado social é quem o paga e quem o reforma e não quem o afunda dando tudo a todos, até não haver mais nada para dar. Salvar o Estado social é tirar a troika de Portugal, não é pô-la cá dentro», sustentou.














«Não falou nos cortes do abono de família e no aumento da pobreza infantil, do emprego remunerado através de estágios profissionais, é bom relembrar que foi este primeiro-ministro que assim que tomou posse disse aos jovens "emigrem que não fazem cá falta"», afirmou a comunista.