Marcelo Rebelo de Sousa diz que António José Seguro fez um «longuíssimo discurso» na convenção do seu partido sobre o que mudará com o PS no Governo, apresentando muitas ideias repetidas e «descobrindo a pólvora».

«Seguro fez um longuíssimo discurso, está igual a Passos Coelho, falam que se desunham. Um discurso de 45 minutos ou algo assim. E em que uma parte é mais do mesmo. Reindustrialização, a ideia da qualificação dos recursos humanos parece-me evidente, a ideia da renegociação da dívida, o mar - não há ninguém que não adore o mar, eu nado todos os dias no mar, agora eles que não nadam querem explorar o mar e descobrem o mar -, Cavaco Silva falou do mar, Passos Coelho falou do mar, Seguro fala do mar, vamos ver se fazem qualquer coisa no mar. E depois teve a promessa concreta de acabar com a 'TSU dos pensionistas' e não há aumento de carga fiscal. E teve uma frase preciosa: 'serei o primeiro primeiro-ministro deste século a não aumentar a carga fiscal'. Deu, portanto, uma canelada no Guterres, e vai um, no Barroso, e vão duas, no Santana Lopes, e vai outra, no Sócrates, outra, e depois no Passos, porque os cinco são deste século. Portanto, ele é o primeiro a descobrir a pólvora não aumentando impostos. Lembrei-me do pai Bush que dizia: 'leiam os meus lábios: não há mais aumento de impostos'. Primeira coisa que ele fez: aumentar os impostos», afirmou o comentador da TVI, neste domingo, no Jornal das 8 fazendo ainda, a este respeito, uma referência a «Pinóquio».