Constança Cunha e Sá criticou, esta sexta-feira, em comentário à TVI24, o PS pela forma como está a lidar com o problema Seguro - Costa.

«O problema dito tudo é que isto não é uma questão burocrática. O que nós temos é uma direção do partido encostada, barricada por assim dizer, atrás dos estatutos, que dizem, em primeiro lugar, que o secretário-geral é inamovível. (...) Depois a segunda teses avança que um congresso extraordinário não pode ter directas, ou seja, pode haver 100% de militantes do PS que queiram votar contra António José Seguro, ou seja, a favor de António Costa, que o secretário-geral é inamovível, não pode ser demitido. Portanto, não é demitido em caso algum», afirmou a comentadora.

Segundo Constança Cunha e Sá, Seguro, «porque é um ser magnânimo, concedeu uma coisa extraordinária que é dar a António Costa a possibilidade de se candidatar a uma figura que não existe, que é candidato a primeiro-ministro».