Augusto Santos Silva tem dúvidas que a ministra das Finanças consiga credibilizar o Documento de Estratégia Orçamental (DEO) perante as instâncias externas.

«Na primeira versão, o DEO apareceu como uma coisa absolutamente nebulosa, muito próxima da ficção. Imagino pelo menos a troika, se não a própria estrutura do Ministério das Finanças, a dizer que não é tempo para ilusões, que as contas têm de bater certo e que tem de haver um cenário credível de progressão nas metas do défice orçamental. Mas não sei se a ministra das Finanças atual terá essa capacidade, digamos que anticíclica, de pôr a sua credibilidade pessoal e institucional ao serviço do país», afirmou o comentador da TVI24, nesta terça-feira, no programa Política Mesmo.

«No Conselho de Ministros intervêm agentes estrangeiros»