Constança Cunha e Sá criticou, esta quinta-feira, os ataques do Governo ao Tribunal Constitucional. Na TVI24, a comentadora sublinhou que nunca como hoje um órgão de soberania foi «tão violentamente atacado por outro» e alertou que o primeiro-ministro não se pode comportar «como um arruaceiro».

Um dia depois de Pedro Passos Coelho ter afirmado que se deve mudar a escolha dos juízes que integram o Tribunal Constitucional e ter defendido que esses mesmos juízes devem ser escrutinados, Constança Cunha e Sá disse que «já não é um ataque às decisões do Tribunal Constitucional, mas é um ataque ao órgão Tribunal Constitucional».

«Nunca como hoje (...) um órgão de soberania foi tão violentamente atacado por outro, ou seja, pelo Governo. E o primeiro-ministro tem obrigação de se comportar como primeiro-ministro e não como um arruaceiro, que anda aí a dizer coisas contra um Tribunal Constitucional que é um ponto fundamental da democracia», disse a comentadora, no espaço de análise nas «Notícias às 21:00».

Sublinhando que o chefe do Governo está a «pôr em causa o Estado de Direito, um sistema representativo que o inclui a ele próprio», Constança Cunha e Sá apelou a uma intervenção de Cavaco Silva: «O Presidente da República tem que intervir, tem que dizer qualquer coisa, porque isto não é aceitável e o Presidente não pode limitar-se a desejar boa sorte à Seleção que amanhã [sexta-feira] tem um jogo amigável contra não sei quem, porque no fundo ele é o garante do regular funcionamento das instituições».