Na prova dos 9, na TVI24, o orçamento retificativo esteve no centro do debate.

Paulo Rangel acredita que o cumprimento do défice e a diminuição da taxa de desemprego vão permitir ao governo cumprir a meta de 4% de défice.

«Não tenho dúvidas de que vamos cumprir a meta de 4% do défice», destacou.

Fernando Rosas criticou o aumento de impostos entre 2011 e 2014.

«Cada português empregado pagava 817 euros de impostos, em 2011, e, em 2014, o valor subiu para 1458 euros», justificou.

Já Francisco Assis sublinhou que o modelo de crescimento económico não se pode apoiar apenas no aumento do consumo privado.

«O atual modelo de crescimento económico é um modelo que o PSD criticou quando estava na oposição e que assenta no crescimento do consumo privado», criticou Assis.