Marcelo Rebelo de Sousa defendeu este domingo que a solução encontrada para o Banco BES é «oposta» à do BPN. Marcelo garantiu ainda que está «tranquilo» com os depósitos que tem no BES e explicou que o dinheiro dos depositantes e dos obrigacionistas está a salvo, mas para os acionistas não «vai correr bem».

«A solução que foi adotada é exatamente oposta da solução do BPN. O BPN nacionalizou-se e o Estado, portanto os contribuintes, pagaram tudo, aquilo que se foi buscar foi nada. Aqui, precisamente, os acionistas ficam com a parte má e começa um novo banco para ser vendido. Se há alguma semelhança é com a entrada de capital do BCP e do BPI, mas mesmo assim não é igual, porque nasce um banco novo, ali não, era ajudar a aguentar bancos que existiam», disse Marcelo Rebelo de Sousa.

O comentador da TVI explicou ainda que os depositantes e obrigacionistas estão protegidos com a criação do novo banco e salientou que este novo sistema vai ser testado em Portugal.

«Portugal vai testar pela primeira vez este esquema que foi aprovado na União Europeia e ainda não está totalmente montado», disse.

Marcelo explicou que «o novo modelo é assim: os acionistas ficam com as perdas, neste caso é o velho banco que se chama BES, e há um só acionista que se chama Fundo de Resolução, que é constituído pelos bancos portugueses».

O comentador da TVI disse ainda que «passa para o novo banco os depósitos todos. Amanhã as agências todas passam para o novo BES, os funcionários todos passam para o novo BES, automaticamente», disse.

Marcelo Rebelo de Sousa garantiu ainda que está «tranquilo» com a conta que tem no BES, mas que os acionistas «não vai correr bem».