Em direto telefónico no «Jornal das 8» da TVI, Marcelo Rebelo de Sousa considerou que o primeiro-ministro Passo Coelho fez «uma má escolha» ao nomear Maria Luís Albuquerque na pasta das Finanças, em substituição de Vítor Gaspar. O

«A demissão de Vítor Gaspar era previsível. Ele disse que não tinha condições dentro do Governo», constatou o comentador político.

«O primeiro-ministro fez uma má escolha. Uma escolha era o presidente do Banco de Portugal, outra era o Paulo Macedo». O comentador da TVI acrescenta ainda como hipótese que o PM poderia ter acumulado a pasta.

Para Marcelo Rebelo de Sousa, Passos não tem que aceitar a demissão de Paulo Portas, mas o comentador estranha a cerimónia da posse da ministra das Finanças.

Face à crise política, Rebelo de Sousa considera que uma saída é Paulo Portas demitir-se de líder do CDS (o congresso é este fim de semana), sendo substituído na coligação por um novo líder. No entanto, considera que esta solução poderá aguentar apenas até ao fim da troika, mas não até ao fim da legislatura. «É um Governo fraco, é!». Como nomes para substituir Portas, fala em Assunção Cristas e em Pedro Mota Soares, ambos ministros.

«O Presidente tem estado a tomar uma posição minimalista», acusa Marcelo, considerando que Cavaco Silva deve interferir no Parlamento em função da instabilidade política que o país atravessa. O comentador político considera que o Presidente da República deveria ter feito hoje uma comunicação ao país e não Passos Coelho.

Sobre a verdade dos fatos que levaram a esta crise política, Marcelo não tem dúvidas que «um dia se saberá o que é que se passou com Paulo Portas» Mas ressalvou: «Não sou a pessoa mais indicada para falar sobre o que se passa pela cabeça de Paulo Portas».