Marcelo Rebelo de Sousa considera que faltou uma «estratégia para o futuro» no manifesto assinado por mais de 70 individualidades que defende a reestruturação da dívida e criticou os dois consultores de Cavaco Silva por não terem avisado o Presidente da República que o iam subscrever.

«Aquelas duas pessoas não são propriamente anjinhos, não andam aqui a apanhar bonés, são pessoas com experiência política. Quem é consultor no quadro do Presidente da República, corre o risco conotar o Presidente com isso. Funciona muito mal a comunicação interna em Belém», afirmou, no seu comentário semanal na TVI.

Sobre o manifesto, o comentador admitiu que há uma «preocupação com um problema que é nacional» e uma «tentativa de consenso», mas criticou os subscritores por não apresentarem uma «estratégia para o futuro». «Aí já não estão de acordo. Qualquer credor, para aceitar negociar a dívida, precisa de saber o que iria fazer o país a seguir», avisou.

Marcelo criticou, no entanto, a «reação despropositada do Governo e do primeiro-ministro». «O documento não é novidade, todas aquelas pessoas já o disseram, aliás, não houve biscarete em Portugal que não tivesse pedido a reestruturação da dívida», afirmou, acrescentando: «Os mercados nem pestanejaram em relação ao manifesto».